Prova disso é que ao longo de 2018 a campanha ‘Culinary Germany’ exalta as diferentes tradições gastronômicas que atraem ao país europeu cada vez mais fãs de todo o mundo

0818 alemanha gastro

Foto: Divulgação/ DZT - Centro de Turismo Alemão

 

‘Culinary Germany’ é o tema escolhido pelo German National Tourist Board (GNTB) para a campanha global de marketing e promoção turística do país europeu ao longo de 2018. "Os vários estilos e especialidades gastronômicas regionais, bem como uma ampla gama de lugares para degustar uma boa refeição, estão entre os pontos fortes do destino Alemanha e é isso que queremos enfatizar”, afirma a diretora-executiva da instituição, Petra Hedorfer.

 

Ainda de acordo com ela, a escolha da temática não ocorre em vão. “Identificamos que 7% dos turistas estrangeiros optam por visitar nosso país por causa da variedade e qualidade dos alimentos e bebidas oferecidos. E, nesse aspecto, ir a restaurantes e cafés é a segunda atividade preferida desse público, atrás apenas das tradicionais visitas turísticas”, diz Petra.

 

Em conformidade com Petra, a diretora do DZT – Centro de Turismo Alemão no Brasil, Margaret Grantham, complementa: “Entre os brasileiros, o desejo de vivenciar experiências culinárias autênticas e únicas é ainda mais alto e determinante. Detectamos que 30% dos que elegem a Alemanha como destino têm a gastronomia como foco da viagem”.

 

Mercados regionais e restaurantes Michelin

 

Na Alemanha, comida e bebida exemplificam um estilo de vida. Prova disso é que os mercados regionais de alimentos estão firmemente estabelecidos na vida urbana, assim como os festivais culinários e os food trucks espalhados por todo o país. Em pesquisa constante, chefs e proprietários de restaurantes estão desenvolvendo menus que valorizam produtos regionais/sazonais e receitas tradicionais, a fim de oferecer uma culinária sustentável que não abre mão de suas raízes.

 

Todo esse cuidado e atenção reflete-se na oferta da chamada ‘comida de rua’ e nos endereços avaliados com estrelas do guia Michelin, o qual lista, atualmente, 300 restaurantes alemães, fato que ilustra o crescimento da gastronomia de alta qualidade praticada no país. Sobre esse aspecto, ressalta-se que 11 destes 300 endereços foram homenageados com o prêmio principal do guia, o de três estrelas.

 

A impressionante amplitude da sofisticada culinária alemã também é reforçada por uma série de eventos, os quais atraem apreciadores de todas as latitudes. Como exemplo, o Schleswig-Holstein Gourmet Festival, que há mais de 30 anos acolhe chefs internacionais com estrelas Michelin para o norte da Alemanha entre setembro e março de cada ano. Além de criar uma atmosfera festiva e competitiva, o evento também inspira a cena gastronômica na região de Schleswig-Holstein.

 

Outro evento de reputação mundial é o Rheingau Gourmet & Wine Festival. Por mais de 20 anos, chefs premiados se reúnem aqui a cada primavera. Aninhado no coração da região vinícola, o festival também coloca o vinho no palco, mostrando o melhor de diferentes países. Em busca de inspiração e das últimas tendências, chefs e padeiros também se encontram em feiras de consumo, como o Eat & Style Food Festival, que acontece em Düsseldorf, Munique, Hamburgo e Stuttgart. Aqui eles podem aprender dicas e truques dos melhores chefs em uma série de workshops e atividades temáticas de culinária.

 

E, como na Alemanha culinária e sustentabilidade caminham lado a lado, diversos restaurantes gourmet já adotaram essa prática de política sustentável. Isto é evidenciado por esquemas de certificação e outras iniciativas, como Greentable, BIOSpitzenköche, Slow Food, Euro-Toques e a verificação ambiental da Associação Alemã de Hotéis e Restaurantes. O objetivo é apoiar antigos métodos de produção e tradições culinárias por meio de uma abordagem responsável dos alimentos que priorize produtos sazonais e de origem local. Exemplos dessa cozinha criativa e sustentável não faltam. Entre eles, o Landhaus Scherrer, em Hamburgo, e o Nobelhart & Schmutzig, em Berlim. Ambos receberam estrelas Michelin e certificação Greentable. Já o Pfaffenkeller, em Kandern (na região de Markgräflerland), e o restaurante orgânico Flux, no Vale de Werra, são tão orgulhosos de suas várias iniciativas de sustentabilidade quanto de sua recomendação Bib Gourmand, do Guia Michelin.

 

Como a minha avó fazia

 

A arte da culinária, com suas diversificadas especialidades regionais, remonta a séculos de tradição em cada um dos 16 Estados da federação alemã. Por meio desse viés gastronômico e cultural, a campanha ‘Culinary Germany’ promove autênticas experiências gourmets, para que os visitantes possam degustar pratos regionais típicos e bebidas produzidos localmente em pousadas rústicas, em festivais sazonais e em rotas turísticas com temas alimentares.

 

Nesse cenário, paisagens únicas e vida cultural própria de cada uma das regiões alemãs estão em evidência por meio de suas receitas seculares. Entre os muitos exemplos dessa fusão de tradição e gastronomia, destacam-se os vinhedos ao longo dos vales dos rios Mosela e Reno, as áreas de pastagem de Schleswig-Holstein, responsáveis por uma carne de excelente qualidade, além dos campos de cultivo de legumes e frutas e os locais de produção artesanal de queijos, cuja técnica é preservada há muitas gerações.

 

Para se ter uma ideia das variadas especialidades regionais, segue uma pequena amostra.

 

Baden-Württemberg: uma das mais conhecidas especialidades de Stuttgart, Maultaschen é uma espécie de ravióli de carne e espinafre. Sua receita é atribuída a monges que, proibidos de ingerir carne durante a Quaresma, encontraram nesse prato a solução de continuar a saboreá-la secretamente entre as folhas da suculenta verdura.

 

Baviera: a salsicha weisswurst (salsicha branca), feita com vitela e porco e aromatizada com cebolas e salsa fresca, é uma das delícias mais populares de toda a Baviera. Tradicionalmente, é consumida em cervejarias antes do meio-dia e acompanhada de mostarda doce, pretzels e, lógico, com muitos copos de cerveja.

 

Berlim: comida de rua é uma antiga tradição na capital alemã, e seus moradores têm muito orgulho do currywurst. Servida em quiosques desde 1930, a iguaria é degustada com cinco tipos diferentes de molhos de curry, um mais apimentado que outro. Para se ter uma ideia da paixão dos berlinenses por currywurst, tem até um museu próprio.

 

Brandenburg: produto mais exportado da Floresta Spree, os pepinos ganham inúmeras receitas e modos de consumo. Tem até um tour, o Ciclo de Pepino, em cujo trajeto, de 260 quilômetros, é possível provar pratos os mais diferentes e acompanhar todo o processo de cultivo e preparo, desde o campo até a ponta do garfo.

 

Hamburgo: todo domingo de manhã, madrugadores e notívagos se dirigem a um tradicional ponto de comércio da cidade portuária: o Mercado de Peixe, famoso por servir rolinhos do pescado, entre eles os rollmops, preparados há mais de 300 anos. Feitos com peixe de sabor acentuado, como arenque, o filé é enrolado em cebola ou pepino e curtido em vinagre. Os consumidores o consideram um curador de ressaca infalível.

 

Hessen: sua bebida mais popular, Ebbelwei é uma cidra muito consumida. Encontrada em todas as casas, sobretudo nos arredores de Frankfurt, é ideal para acompanhar costeletas de porco, salsichas e chucrute.

 

Renânia do Norte-Vestefália: produz uma extensa gama de cervejas, incluindo a kölsch (de Colônia) e a altbier (da vizinha Düsseldorf). A região também abriga numerosas cervejarias, de todos os portes. Muitas dessas, por sinal, oferecem visitas guiadas e workshops. Em Dortmund, um enorme museu dedicado à bebida explica tudo o que há para se saber sobre a arte dos mestres cervejeiros.

 

Renânia-Palatinado: maior produtora de vinho em toda a Alemanha. Visitantes e moradores podem ter uma amostra em uma das muitas tabernas mantidas por vinicultores, visitar vinhedos durante o verão ou participar de um dos muitos festivais que ocorrem entre meados de agosto e o início de outubro.

 

Saxônia: o mais favorito de todos os eventos da região é Christstollen, que ocorre em Dresden. O que era um alimento para o período de jejum desde os tempos medievais, evoluiu para um bolo sofisticado de massa fermentada e frutas secas. As receitas de família, mantidas em segredo, são comercializadas em mais de 130 endereços especializados na cidade. A melhor época para degustar dessa doce iguaria é o começo de dezembro, quando ocorre o Stollen Festival. Outra opção é se deliciar nas barracas do mercado natalino de Dresden.

 

Schleswig-Holstein: concentramais de 120 variedades de queijo, a maioria artesanal. Tem até um trajeto inteiro dedicado ao laticínio, a Rota do Queijo, que permite ao turista degustar variadas espécies produzidas a partir de leite de vaca, ovelha e cabra. Tem desde os mais suaves aos maduros, picantes e até doces.