Chegou o Luminar Neo, com novos recursos para editar suas fotos de modo profissional.

Turismo do Alentejo

Conheça algumas bebidas para experimentar durante uma viagem pela região portuguesa

INVISIVEL ERVIDEIRA 2 DIVULGACAO

Invisível Ervideira. Foto: Divulgação

 

O Alentejo, em Portugal, atrai visitantes não apenas pela sua excelente oferta turística, mas também quando o assunto é vinho. Reconhecido como uma das principais regiões vitivinícolas do mundo, conta com muitos rótulos premiados, variadas vinícolas e formas diferentes de preparo, que traduzem toda essa tradição centenária.

 

Seja em uma herdade no campo ou à beira-mar, é possível ter experiências magníficas de enoturismo e apreciar os aromas e sabores dos vinhos locais. São inúmeros produtores de altíssima qualidade, que preparam alguns dos melhores vinhos do mundo e, muitos deles, são bem inusitados.

 

Esse é o caso do vinho Invisível, produzido pela adega Ervideira. À primeira vista, este é um vinho branco, mas que na verdade é feito com uvas tintas. A produtora utiliza apenas a “lágrima” da uva, gotas de suco que são tiradas sem esmagá-la nem usar a casca. Outro processo curioso é o do vinho Conde D’Ervideira Vinho da Água, que tem sua produção inspirada na recuperação de garrafas de antigos navios naufragados. Após permanecer oito meses em barris, a bebida é submetida ao novo estágio de maturação, em que as garrafas ficam submersas no lago Alqueva, resgatando o processo chamado de “vinho da água”.

 

Para experimentar esses sabores impressionantes, a vinícola Ervideira oferece muitas atividades enoturísticas em sua propriedade, como piqueniques, provas de vinhos e degustações, realizados em um terraço com uma bela vista para as vinhas.

 

Há ainda tipos de vinhos alentejanos que ganharam força na produção nos últimos anos e que chamam a atenção dos especialistas pelo cuidado na hora do preparo. São os vinhos orgânicos biodinâmicos, cada um com suas particularidades na hora do preparo, que preservam os métodos naturais e tradicionais.

 

Para produzir os vinhos orgânicos, não é utilizado nenhum tipo de produto químico contra pragas, focando na preservação da biodiversidade do solo. Esse tipo de cultivo é uma volta ao passado, mantendo as raízes da agricultura tradicional. No Alentejo, diversas vinícolas optam por usar o cultivo orgânico para manter a pureza do produto e não abrem mão de um cuidado natural com as videiras.

 

Por sua vez, o conceito da produção biodinâmica mantém as regras do orgânico, mas agrega conceitos espirituais e filosóficos pensando na preservação ambiental. A Herdade do Esporão é outro local ideal para provar vinhos desse tipo. Desde 2015, os profissionais trabalharam para alterar o sistema de plantio, evitando ao máximo os danos ao solo.

 

Herdade

Vinhos, Herdade do Esporão. Foto: Victor Carvalho

 

Outra bebida que é uma verdadeira relíquia da tradição vitivinícola do Alentejo é o Vinho de Talha. Conhecido por seu paladar encorpado e intenso, é produzido seguindo conhecimentos milenares, passados de geração em geração sem sofrer quase nenhuma modificação com o tempo. A técnica utiliza um grande vaso de barro, que pode chegar a dois metros de altura, como recipiente para a fermentação. Para saber mais detalhes desta produção única, a Herdade do Rocim conta com um tour guiado e com provas, o Amphora Wine Tour. Outro fato é que, recentemente, essa iguaria milenar foi submetida a uma candidatura a Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade e aguarda a sua nomeação.

 

Opções além do vinho

 

O vinho não é a única especialidade do Alentejo. A região também conta com excelentes opções de destilados que levam ingredientes locais na receita, como o gin Sharish. São duas versões: uma tradicional e outra chamada de “blue magic gin”. A segunda é diferente não apenas por ter o líquido azul, mas por fazer uma mágica. Ao ser misturado com a água tônica, este gim, que é azul devido à flor da Clitoria ternatea, fica cor de rosa!

 

alent gin

Gin Sharish. Foto: Divulgação

 

Uma outra bebida tipicamente alentejana (e imperdível) é a aguardente de medronho, um fruto muito comum na região. Há passeios para acompanhar a colheita do medronho e seu processo de destilação, além da degustação da bebida.