Empresa FlyBondi visitou a Embratur e apresentou planejamento para operar no Brasil em 2019

0119 embratur low cost

Presidente Teté Bezerra (ao centro) e representantes da Embratur se reuniram com executivos da Flybondi na quarta

 

 

Neste ano de 2019, a companhia aérea argentina Flybondi pretende operar em Florianópolis e Rio de Janeiro, os principais destinos dos turistas argentinos no Brasil. A empresa, que adota o modelo low cost, quer operar seus voos com destino ao país partindo da cidade de Córdoba e da capital, Buenos Aires. Os executivos da Flybondi apresentaram a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), na quarta-feira (09/01), os planos da companhia para este ano no mercado brasileiro.

 

Atualmente, a empresa realiza voos para duas cidades fora da Argentina: Assunção, no Paraguai, e Punta del Este, no Uruguai.

 

“É fundamental para o turismo nacional a ampliação da oferta de voos internacionais, auxiliando a chegada de turistas ao País. O relacionamento com as companhias aéreas faz parte das ações estratégicas da Embratur para auxiliar a comercialização do turismo no Brasil”, declarou a presidente do Instituto, Teté Bezerra.

 

O diretor da Flybondi, Esteban Tossutti, explicou que a companhia traz para a América do Sul o modelo de sucesso na operação das empresas de baixo custo europeias e que são extremamente importantes para o turismo porque “os passageiros não gastam nos bilhetes aéreos, e sim nos locais para onde estão indo, seus destinos de viagem”.

 

A reunião aconteceu um mês após a assinatura da Medida Provisória que permite a liberação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras. O diretor da companhia aérea, Tossutti, disse ainda que “a criação da Flybondi aconteceu somente porque uma medida semelhante a esta foi aprovada na Argentina”. “O Brasil pode seguir esta tendência e, como consequência, surgirem novas empresas neste segmento”, afirmou.

 

A entrada de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras trata-se de uma das principais reivindicações da cadeia produtiva do setor, e deve ser analisada pelo Congresso Nacional nos próximos meses.

 

Fonte: Embratur